Emater de A a Z

Regionais

Regional - Ijuí

Separador vertical Imprimir esta página Separador vertical Diminuir letra Aumentar letra
Endereço: Rua do Comércio, 1721
- Bairro São Geraldo

E-mail: ijui@emater.tche.br
Fone: (55) 3333-8040
CEP: 98700-000

Direcionamento

Ao longo das seis décadas de existência, a Emater/RS-Ascar tem atuado na assistência técnica e social às famílias do meio rural, contribuindo para o desenvolvimento da região, através de parcerias com poder público municipal, entidades socioassistenciais, universidades, instituições de pesquisa e demais vinculadas à agricultura familiar, que são fundamentais na construção deste projeto de desenvolvimento regional. Essa premissa tem pautado todas as ações em curso pela gerência e extensionistas que atuam na região administrativa de Ijuí desde a criação do Escritório Regional, em 03 de novembro de 2000, formada por 46 municípios dos Coredes Celeiro, Noroeste Colonial e Alto Jacuí.

Estrutura

A região administrativa de Ijuí conta com uma Unidade Indígena, sediada em Tenente Portela; um escritório da Embrapa Pecuária Sul e uma Unidade de Cooperativismo (UCP), com sede no Escritório Regional de Ijuí; Unidades de Classificação e Certificação (UCC) nos municípios de Ijuí, Cruz Alta e Três Passos e dois centros de formação: o Centro de Treinamento de Agricultores de Bom Progresso (Cetreb) e o Centro de Treinamento de Agricultores de Não-Me-Toque (Cetaj), este administrado em parceria com a Cooperativa Agropecuária e Industrial – Cotrijal.

Programas e Ações Socioassistenciais

Para o desenvolvimento e a execução de ações, a Emater/RS-Ascar estabelece contratos e acordos de cooperação com governo federal, estadual e municipal, instituições de ensino e pesquisa – conforme apresentado a seguir.

- Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS): o Plano Brasil Sem Miséria e uma de suas ações, o Programa Fomento à Inclusão Produtiva, têm chegado às famílias indígenas, quilombolas e da agricultura familiar da região administrativa de Ijuí por meio de direitos elementares como moradia, alimentação, saúde, educação, assistência técnica e crédito em 19 municípios, atendendo 1.206 famílias.

- Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA): financia serviços de assistência técnica e social da Emater/RS-Ascar, por meio de diversos programas e chamadas públicas, conforme abaixo.

Chamada Pública Indígena – inédita no Brasil, atende o maior aldeamento indígena do Rio Grande do Sul, a Terra Indígena Guarita, com 23.406 hectares. O foco do trabalho é a inclusão social e produtiva, redução da pobreza extrema e produção limpa e sustentável de alimento, atendendo 855 famílias.

Chamada Pública da Sustentabilidade: em 14 municípios, a Emater/RS-Ascar orienta 2.800 famílias a colocarem em prática os seus planos socioprodutivos, individuais e coletivos;

Chamada Pública do Cooperativismo: com o MDA, são executadas na região duas chamadas públicas, a Mais Gestão e a Nutre Brasil. Essas políticas públicas beneficiam a economia de 22 municípios gaúchos;

Chamada Pública do Leite: 24 municípios, onde são atendidas mil famílias.

- PAA e PNAE: mercados estratégicos, o Programa de Aquisição de Alimentos e o Programa de Alimentação Escolar são organizados na região pela Emater/RS-Ascar. Além de receber estímulo e orientação para produzirem alimentos, as famílias de pequenos agricultores, assentados da reforma agrária, indígenas e quilombolas recebem orientação para comercializar sua produção.

- Incra: a região administrativa de Ijuí atende quatro Núcleos Operacionais do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), localizados em Joia, Palmeira das Missões, Erval, Júlio de Castilhos e Sarandi. Nessa região, há 26 assentamentos onde são atendidas 1.210 famílias.

- Secretaria Estadual de Desenvolvimento Rural e Cooperativismo (SDR): seus principais programas são executados na região de Ijuí pela Emater/RS-Ascar:

Programa de Agroindústria Familiar – Selo Sabor Gaúcho: ações para regularizar, implantar, ampliar e qualificar boas práticas de fabricação para acesso a mercados;

Programa Irrigando a Agricultura Familiar: a Emater/RS-Ascar elabora os projetos técnicos;

Programa Leite Gaúcho: mais de três mil famílias da região administrativa de Ijuí recebem assistência, com ênfase na criação de terneiras, plantio de forrageiras, manejo do gado no pasto, bem-estar animal, com uma série de ações para aumentar a quantidade e melhorar a qualidade do leite produzido nos estabelecimentos rurais, aumentando a renda dos agricultores.

Extensão Cooperativa (PEC/RS): esse programa estadual é executado pela Unidade de Cooperativismo da região administrativa de Ijuí. Através da Chamada Pública nº 4, atende duas cooperativas e com a Chamada Pública nº 6, dez cooperativas.

- Secretaria da Agricultura e Pecuária (Seapa)

Contrata a Emater/RS-Ascar para execução do Programa Mais Água Mais Renda.

- Rede Leite

Experiência inédita no Brasil, o Programa em Rede de Pesquisa-Desenvolvimento em Sistemas de Produção com Atividade Leiteira no Noroeste do RS está consolidado em 60 pequenas propriedades, abrangendo todos os municípios da região administrativa de Ijuí, e reúne as seguintes instituições: Emater/RS-Ascar, Embrapa, Unijuí, Unicruz, Ufsm, Instituto Federal Farroupilha – campus Santo Augusto, Fepagro, Cooperfamiliar e Associação Gaúcha dos Empreendimentos Lácteos (Agel). Essa região faz parte da maior bacia leiteira do RS.

- Expodireto

No parque da Cotrijal, em Não-Me-Toque, o Escritório Regional de Ijuí da Emater/RS-Ascar coordena as atividades direcionadas aos agricultores familiares no Espaço da Família Rural.

Aspectos históricos e geográficos

Hospitalidade e diversidade étnica, produtiva e ambiental são traços marcantes na região administrativa da Emater/RS-Ascar de Ijuí. O município sede do escritório regional, Ijuí, é um bom exemplo disso, se autodenominando “Terra das Culturas Diversificadas”.

O rio Uruguai, um dos mais importantes rios brasileiros que passa pela região e faz fronteira com a Argentina, cria um grandioso espetáculo: o maior salto longitudinal do mundo, com 1.800 metros, pode ser apreciado em solo brasileiro, na cidade de Derrubadas, o Salto do Yucumã. Outros rios também seguem seu curso (Turvo, Várzea, Guarita, Parizinho e rio Ijuí) onde encontra-se instalada a maior usina do cooperativismo brasileiro, a Usina José Barasuol, com 14,3 MW de potência, obra da cooperativa de geração e distribuição de energia Ceriluz.

A maior área de Mata Atlântica preservada no Rio Grande do Sul está no Parque Nacional do Turvo, no município de Derrubadas, refúgio de mais de 280 espécies de aves – como o frango d’água e o guaxe – e de animais raríssimos, como a onça-pintada. No parque estão preservadas árvores de madeira nobre, como o angico, cedro, cabriúva, guajuvira, açoita-cavalo, ipê roxo, grápia, entre outras.

Originalmente, a erva-mate usada pelos indígenas, primeiros habitantes da região, depois, o ciclo extrativista da madeira, transportada por balsas pelo rio Uruguai até o porto de São Tomé, na Argentina, atraíram para o lugar centenas de famílias.

A região administrativa de Ijuí também é considerada uma das “últimas fronteiras agrícolas” do Estado, pois recebeu milhares de famílias que se deslocaram das chamadas Colônias Velhas, assim chamadas regiões como a Serra e Vale do Rio dos Sinos, por exemplo, ponto de chegada dos primeiros imigrantes europeus, italianos e alemães, que desembarcaram no Brasil.

Principais Atividades Agropecuárias

Com a chegada dos filhos e netos dos imigrantes europeus ao Noroeste gaúcho, a partir da década de 1930 teve início um novo modelo de desenvolvimento, baseado na agricultura, com destaque para a produção atual de soja (950 mil ha), milho (110 mil ha) e trigo (300 mil ha), além de outras culturas como aveia branca, cevada, canola, girassol, mandioca, feijão, e na criação de animais, como suínos, aves, bovinocultura de leite e corte.

Já na pecuária leiteira, uma pesquisa com base em dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e da própria Emater/RS-Ascar revela que 82% da produção gaúcha de leite vem de propriedades localizadas na metade Norte do Rio Grande do Sul. Na liderança está a regional de Ijuí, com 723 milhões de litros produzidos ao ano. Na vice-liderança, aparece a região administrativa de Passo Fundo, com 654 milhões/litros/ano, seguida pela região de Santa Rosa, onde são produzidos 569 milhões litros/ano.

A população descende em sua maioria de portugueses, alemães, italianos e poloneses. Também residem famílias afrobrasileiras, caboclas e indígenas das etnias Kaingang, Guarani e Mbyá Guarani.

O maior aldeamento indígena do Estado, a Terra Indígena do Guarita, com 23,4 mil hectares, foi demarcado em 1917 localiza-se na região administrativa de Ijuí, mais precisamente nos municípios de Tenente Portela, Redentora e Erval Seco, este último, na região administrativa de Frederico Westphalen. Outros aldeamentos estão localizados nas cidades de São Valério do Sul e Salto do Jacuí.

Nesta região administrativa de Ijuí são registrados os maiores contrastes entre verão e inverno, sendo comum a formação de geada, especialmente nas altas encostas do Vale do Rio Uruguai. As estações do ano são bem definidas. No inverno, a temperatura mínima média é inferior a 10ºC e, no verão, a máxima supera os 32ºC.

Os solos mais frequentes são de profundos a muito profundos, bem drenados (latossolos vermelhos distroférricos e eutroférricos), com restrições à prática agrícola em função da baixa fertilidade natural e relativa propensão à erosão. Já nas áreas próximas aos rios, encontramos solos de pouco profundos a profundos, de coloração escura ou avermelhada, conhecidos como neossolos regolíticos. Esse tipo de solo em relevo mais ondulado apresenta grande quantidade de pedregulhos, dificultando as práticas agrícolas mecanizadas. A profundidade limita a produção agrícola por deficiência hídrica. Na região administrativa de Ijuí, também são encontrados solos pouco profundos, geralmente bem drenados, se destacando pela alta fertilidade química (chernossolos hálicos órticos).

Do ponto de vista da gerência regional, procura-se promover a competitividade de todos os segmentos, através da agregação de valor aos produtos comercializáveis e do fortalecimento dos princípios sustentáveis.

Municípios da região de Ijuí

Ajuricaba, Augusto Pestana, Barra do Guarita, Boa Vista do Cadeado, Boa Vista do Incra, Bom Progresso, Bozano, Braga, Campo Novo, Catuípe, Chiapetta, Colorado, Condor, Coronel Barros, Coronel Bicaco, Crissiumal, Cruz Alta, Derrubadas, Esperança do Sul, Fortaleza dos Valos, Humaitá, Ibirubá, Ijuí, Inhacorá, Jóia, Lagoa dos Três Cantos, Miraguaí, Não-Me-Toque, Nova Ramada, Panambi, Pejuçara, Quinze de Novembro, Redentora, Saldanha Marinho, Salto do Jacuí, Santa Bárbara do Sul, Santo Augusto, São Martinho, São Valério do Sul, Sede Nova, Selbach, Tapera, Tenente Portela, Tiradentes do Sul, Três Passos e Vista Gaúcha.

Gerência

Carlos Alberto Turra – Gerente Regional

Extensionista rural, é natural de Três de Maio. Técnico em agropecuária, tecnólogo em Processos Gerenciais pela Universidade Estadual do Centro Oeste (Unicentro). Atuou de 1987 a 1990 na Cooperativa Cotrirosa. Extensionista rural da Emater/RS-Ascar desde 1990, quando atuou no município de Humaitá, com foco no trabalho em solos, pecuária leiteira, promoção de lazer e recreação, saneamento ambiental, políticas públicas e secagem e armazenagem de grãos. Foi Gerente Regional Adjunto em 2010 e presidente da 5ª ExpoHumaitá. É diretor do Sindicato dos Técnicos Agrícolas do Estado do Rio Grande do Sul (SINTARGS).

Vito Antônio Cembranel - Gerente Adjunto

Extensionista rural da Emater/RS-Ascar há mais de 30 anos, é natural de Tucunduva. Técnico agrícola formado no Colégio Agrícola Presidente Getúlio Vargas, Centro de Treinamento de Três de Maio. Iniciou as atividades na Emater/RS- Ascar no município de Santo Cristo, onde atuou por sete anos. Em Ijuí trabalhou por 22 anos e, em Bozano, por mais três anos e meio. Seu trabalho esteve sempre voltado à agricultura familiar, procurando fazer chegar até as propriedades rurais os programas governamentais, municipais, estaduais e federais, visando ao desenvolvimento rural, à qualidade de vida para o agricultor e sua família, à busca de alternativas de produção e à redução da fadiga no trabalho. Tem desenvolvido atividades em áreas como associativismo, cooperativismo e crédito rural para melhoria de solo, máquinas, atividade leiteira, fruticultura, olericultura, turismo rural, armazenagem de grãos, promoção da cidadania, saneamento ambiental, inclusão social, entre outros.