Para otimizar sua experiência durante a navegação, fazemos uso de cookies. Ao continuar no site, consideramos que você está de acordo com nossa Política de cookies

Notícias

Detalhe Notícia

Separador vertical Imprimir esta página Separador vertical Diminuir letra Aumentar letra
23/07/2021

Produção orgânica e diversificada é alternativa para agricultores de Doutor Ricardo

A área plantada da propriedade de Thomas e Elisandra Garcia, localizada na Linha Guabiroba, em Doutor Ricardo, pode até não ser tão grande - em torno de 1,5 hectares. Mas é o suficiente para que uma ampla gama de hortaliças sejam cultivadas ali - de aipim e batata-doce, passando por alface e tempero verde, até chegar a frutíferas, como bergamotas e laranjas. Avô e neta, a dupla produz todos os alimentos sem utilizar agrotóxicos. É assim desde o começo da pandemia de covid-19 que, nas palavras de Elisandra, se apresentou como uma "oportunidade" para os agricultores.

Aos 33 anos, a produtora se mudou para a casa dos avós quando tinha apenas nove anos, após a separação dos pais. Inicialmente trabalhando com bovinocultura de leite, resolveram modificar o modelo de produção após o falecimento da avó, há dois anos. "O caso é que as exigências do manejo do rebanho, somadas ao alto preço dos insumos estava tornando a atividade pouco rentável", analisa Thomas, do alto de seus 83 anos. A ideia de "profissionalizar" a horta, que já existia para o consumo da família, surgiu após uma conversa com a Emater/RS-Ascar.

Foi assim que o número de animais reduziu bastante, hoje são quatro vacas em lactação, ao passo que a horta foi ganhando forma. "No começo, lembro que adquirimos 200 quilos de batatas para vendermos de porta em porta", recorda Elisandra. A experiência foi um sucesso, o que fez com que ela percebesse o potencial da atividade. Novamente por meio da Emater/RS-Ascar - vinculada à Secretaria de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) do Governo do Estado - avô e neta puderam contar com o apoio técnico necessário no manejo, além de ter acesso a linhas de crédito e a outras políticas públicas, como o Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae).

"De certa forma, foi algo que foi crescendo aos poucos e que exigiu da gente um período bem curto de adaptação", avalia a agricultora. Entre a ideia de iniciar o cultivo de hortaliças, a implantação e a consolidação de um mercado consumidor, lá se vai pouco mais de um ano. "O que percebemos é que a pandemia fez com que as pessoas procurassem cada vez mais por alimentos mais limpos, com menos química", garante o avô. A dupla sabe que não vai ficar "rica" financeiramente. "Mas aqui a riqueza é outra: a gente tem saúde, lida com a terra, tem independência e qualidade de vida", reforça Elisandra.

Acompanhando avô e neta de perto, o extensionista da Emater/RS-Ascar Paulo Severgnini elogia o poder de adaptação da dupla e o esforço de se reinventar em meio a um contexto de adversidades. "É claro que o começo não foi fácil, houve dificuldades, muitas delas típicas do cultivo sem agrotóxicos", observa. "Mas eles 'aprenderam' fazendo, na prática, acreditando no equilíbrio do ambiente e tendo a sustentabilidade como filosofia", afirma. "E para nós não pode haver maior orgulho do que ser chamada, com todas as letras, de agricultora", finaliza Elisandra.

Assessoria de Imprensa da Emater/RS-Ascar - Regional de Lajeado
Jornalista Tiago Bald
tbald@emater.tche.br
(51) 99194-8872
www.emater.tche.br
www.facebook.com/EmaterRS
https://twitter.com/EmaterRS
www.youtube.com/EmaterRS
Instagram: @EmaterRS
tv.emater.tche.br