Para otimizar sua experiência durante a navegação, fazemos uso de cookies. Ao continuar no site, consideramos que você está de acordo com nossa Política de cookies

Notícias

Detalhe Notícia

Separador vertical Imprimir esta página Separador vertical Diminuir letra Aumentar letra
27/06/2019

Canola é implantada no RS

Segundo levantamento da Emater/RS-Ascar, a área estimada com canola para o Rio Grande do Sul na safra 2019 é de 32,7 mil hectares, com uma produtividade média de 1.258 quilos por hectare. De acordo com o Informativo Conjuntural, divulgado pela Emater/RS-Ascar nesta quinta-feira (27/06), a regional de Santa Rosa, que engloba os Coredes Missões e Fronteira Noroeste, é destaque neste cultivo, com uma área estimada inicial de 11.196 hectares, que corresponde a 34,1% da área estadual. Naquela região, o plantio da canola já foi finalizado e atualmente 63% da área se encontra em desenvolvimento vegetativo, com 33% em florescimento e 4% em enchimento de grãos.

Com os dias ensolarados, melhora a condição da cultura que no momento apresenta intenso desenvolvimento vegetativo. Devido às boas condições do tempo para a cultura, a região começa a visualizar um aumento da produtividade inicial. O preço médio pago para a saca é de R$ 71,38, apresentando alta em relação à semana anterior e acompanhando o aumento do preço da soja.

Na regional da Emater/RS-Ascar de Ijuí, que compreende os Coredes Alto Jacuí, Celeiro e Noroeste Colonial, a cultura apresentou desenvolvimento rápido, beneficiada pelas altas temperaturas, e com emissão de grande volume de flores. Produtores estão satisfeitos com o desenvolvimento da cultura apresentado até o momento, devido à boa sanidade e à baixa infestação de pragas. O preço médio praticado na região foi de R$ 64,80/sc. de 60 quilos.

Na regional de Santa Maria, de abrangência dos Coredes Jacuí Centro, Vale do Jaguari e Central, a estimativa é de 5,26 mil hectares. Destaque para Tupanciretã, com 1.500 hectares; Júlio de Castilhos, com previsão de 800 hectares e Santiago com 700 hectares. Juntos, estes municípios são responsáveis por 57% de toda a área de canola da região, onde o plantio também já foi encerrado.

A cevada também está implantada no RS. Para esta safra, a área estimada é de 42,4 mil hectares, com uma produtividade média de 2.073 quilos por hectare. Na regional da Emater/RS-Ascar de Erechim, que engloba o Corede Norte, a estimativa inicial de área plantada é de 8.850 hectares, com uma expectativa de 2.198 quilos por hectare. O preço médio é de R$ 68,00/sc. para grãos em condições ideais para comercialização. A cevada está implantada nas regiões Sul, Alto Jacuí, Celeiro e Noroeste Colonial, com desenvolvimento inicial considerado satisfatório. O preço médio é de R$ 51,20/sc.

Na aveia branca, a área estimada para o Estado nesta safra é de 299,8 mil hectares, com uma produtividade média de 2.006 quilos por hectare. Destaque para a regional da Emater/RS-Ascar de Ijuí, com 37% da área do Estado. Nesta região, as primeiras lavouras implantadas já estão em estádio reprodutivo e com baixo número de perfilhos. Com longo período quente e com alta luminosidade, a cultura apresentou rápido crescimento. Alguns produtores iniciaram a aplicação de fungicidas preventivamente, pois as lavouras apresentam boa condição fitossanitária.

Nesta semana, o plantio do trigo avançou 18 pontos percentuais, impulsionado pela ausência de chuvas e da boa umidade no solo, alcançando 73% de uma área de 739,4 mil hectares. Apesar disso, o plantio encontra-se 5% inferior ao mesmo período do ano passado.

Já entre as culturas de verão, a do milho, por exemplo resta para colher apenas áreas pontuais, do plantio do tarde. Em alguns locais das regiões da Campanha e Fronteira Oeste, que juntas cultivaram aproximadamente 5% dos 750 mil hectares de milho na safra 2018/2019, o término da colheita deverá ocorrer ao longo do mês de julho. Nessas regiões, prossegue a colheita manual do milho nas propriedades onde o grão é utilizado para alimentação animal. Algumas lavouras plantadas no tarde foram afetadas pelo pouco volume de chuva de fevereiro e março, o que ocasionou uma redução no tamanho das plantas e falhas no enchimento de grãos.

Na soja, a cultura encontra-se em entressafra no Estado. Os produtores seguem com o planejamento da próxima safra gaúcha. Nas regiões do Noroeste Colonial, Celeiro e Alto Jacuí, os agricultores realizam a correção do solo com a aplicação de calcário em cobertura. Na grande região Metropolitana, observa-se tendência de aumento na área cultivada, podendo ocupar áreas até então destinadas ao cultivo de arroz.

No arroz, os arrozeiros do Estado seguem os trabalhos de planejamento da próxima safra e de comercialização da produção. Na Zona Sul, os produtores realizam a aquisição de insumos e o preparo antecipado das áreas para o próximo cultivo.

A área estimada para o feijão segunda safra 2019 no Estado é de 19,52 mil hectares, com uma produtividade média de 1.644 quilos por hectare. A safra já foi colhida, restando apenas algumas lavouras pontuais.

BOVINOS DE CORTE
Os rebanhos de bovinos de corte começam a perder peso a partir desta época, principalmente os que estão utilizando somente as pastagens naturais, devido à redução na qualidade nutricional das forrageiras. No entanto, em locais mais abrigados, o campo nativo ainda está com partes vegetativas. Este cenário requer tomar iniciativas de manejo para garantir a nutrição dos rebanhos, como adequações da carga animal, utilização de sal mineral proteinado, rações e suplementações. As pastagens cultivadas de inverno passam a ser utilizadas pelos rebanhos, que começam a ganhar peso onde o pastejo vem sendo feito corretamente.

O manejo está direcionado para as matrizes em gestação, que iniciam a temporada de nascimento de terneiros, favorecida pelo menor ataque de ectoparasitas que poderiam causar danos aos recém-nascidos. Quanto à sanidade, podemos classificar como satisfatória, em função da redução dos surtos de carrapatos e dos casos de tristeza parasitária bovina.

As principais práticas de manejo realizadas foram a implantação de forrageiras de inverno, os banhos carrapaticidas, mineralização, a aplicação de vacinas contra clostridioses, desverminação, revisões de cercas, aparte de terneiros para desmame e o tratamento de miíases.

Assessoria de Imprensa da Emater/RS-Ascar
Jornalista Adriane Bertoglio Rodrigues
51-99918-6934 / 51-3216-9090
www.emater.tche.br
www.facebook.com/EmaterRS
https://twitter.com/EmaterRS
www.youtube.com/EmaterRS
Instagram: @ematerrsoficial
tv.emater.tche.br