Para otimizar sua experiência durante a navegação, fazemos uso de cookies. Ao continuar no site, consideramos que você está de acordo com nossa Política de cookies

Notícias

Detalhe Notícia

Separador vertical Imprimir esta página Separador vertical Diminuir letra Aumentar letra
27/02/2019

Viabilização da Agroindústria Familiar recebe destaque em Dia de Campo de Alegria

É possível comercializar produtos da agroindústria com bloco do produtor rural? Preciso pagar para fazer rótulos dos produtos? Tem algum custo determinar a composição nutricional dos produtos? É necessária a licença ambiental? Como definir a planta da estrutura e as instalações hidrossanitárias? Qual a diferença de legislação para produtos de origem vegetal e de origem animal? Estas foram algumas das respostas obtidas por produtores do município de Alegria, durante dia de campo realizado nesta terça-feira (26/02). As perguntas orientadoras apresentadas já no convite do evento instigaram aproximadamente 50 pessoas a se deslocar até à propriedade de Nardel e Luciane Braum, na comunidade de Espírito Santo.

Foi junto à Agroindústria Familiar Delícias da Lu que os participantes - em sua maioria beneficiários do Programa de Gestão Sustentável da Agricultura Familiar (PGSAF) executado pela Emater/RS-Ascar com recursos do Governo do Estado - acompanharam estações sobre o histórico da agroindústria e resultados econômicos, legislação e políticas públicas voltadas à agroindústria familiar, vigilância sanitária e saneamento.

História da Agroindústria Familiar Delícias da Lu
São mais de 20 produtos elaborados na Agroindústria, gerando emprego e renda a sete pessoas. O sonho do casal empreendedor, pais do menino Gustavo, de sete anos, foi viabilizado com muito trabalho e acesso a políticas públicas como o Programa Estadual de Agroindústria Familiar (Peaf), por meio do qual recebeu assessoramento da Emater/RS-Ascar para a implantação e legalização da agroindústria, e do Fundo Estadual de Apoio ao Desenvolvimento dos Pequenos Estabelecimento Rurais (Feaper), cujos recursos foram utilizados para a aquisição de equipamentos.

Luciane conta que procura manter como diferenciais na agroindústria a utilização de receitas da família, a regularidade da oferta dos produtos e o planejamento da matéria-prima e das formas de comercialização.

O engenheiro agrônomo da Emater/RS-Ascar Arlindo José Moura de Almeida destacou a participação dos Braum e de outras 22 famílias de Alegria no PGSAF, por meio do qual receberam assistência técnica em questões econômicas, sociais e ambientais das propriedades. Sobre a atividade de agroindústria, que vem crescendo no município, destacou que, além da viabilidade de se investir em uma agroindústria familiar, estes empreendimentos geram emprego e renda, agregam valor, permitem a sucessão familiar e promovem o desenvolvimento rural e local. “Para além dos resultados econômicos positivos no caso da Luciane e do Nardel, outro importante retorno tem sido o investimento em capital humano, com a participação em capacitações que revertem em conhecimento”, afirmou o engenheiro agrônomo.

Legislação e Políticas Públicas
O assistente técnico regional da Emater/RS-Ascar em Sistema de Produção Animal, médico veterinário Jorge Lunardi, destacou a vocação da região de Santa Rosa para a formalização de agroindústrias familiares, são 410 cadastradas no Peaf, sendo que 141 agroindústrias já alcançaram a legalização fiscal e sanitária. Os passos para a legalização e o perfil das agroindústrias que mais tem crescido na região – panificados, derivados de cana-de-açúcar e mandioca embalada - também foram apresentados por Lunardi.

Vigilância Sanitária e Saneamento
A importância do saneamento básico e dos cuidados com o lugar em que se vive foi reiterada pela assistente técnica regional social da Emater/RS-Ascar, Lisete Primaz. “O trabalho, o investimento, o que se faz em uma propriedade rural deve ser com vistas ao bem-estar da família, afinal, o que acontece em uma propriedade é movido por pessoas”, afirmou, destacando ainda que, além do local de produção é preciso cuidar do lugar em que se vive, a casa, que é onde se descansa, se alimenta, se dialoga, se planeja, se toma decisões e se vive em família. O cuidado com a família, segundo ela, perpassa por ações de promoção à saúde e bem-estar vinculados ao saneamento básico.

O fiscal sanitário da 14ª Coordenadoria Regional de Saúde, Antônio Palhano, esclareceu que o trabalho da Vigilância busca contribuir para que as pessoas não adoeçam e tenham suas vidas zeladas, em um trabalho que busca a promoção da saúde. “Uma das funções centrais do fiscal sanitário é defender o consumidor para que tenha segurança alimentar, com orientações e fiscalização de quem produz o alimento”, explicou.

Também reiterou o trabalho realizado pela Emater/RS-Ascar de assessoramento gratuito em questões como rotulagem e capacitação de boas práticas, essenciais para um resultado satisfatório.

Agroindústria Familiar e Estruturas de Apoio
Almeida destaca que a Emater/RS-Ascar presta serviços de assistência técnica nos municípios e capacitação nos centros de treinamento, orienta ao acesso e executa políticas públicas, bem como viabiliza a execução dos projetos das famílias que desejam empreender. “O Programa Estadual de Agroindústria Familiar, juntamente com o Sistema de Vigilância Sanitária do Estado e o Sistema de Inspeção Municipal, são as portas de entrada para quem deseja trabalhar com agroindústria familiar”, destaca Almeida.

Para outras informações, procure o escritório da Emater/RS-Ascar de seu município.
Assessoria de Imprensa da Emater/RS-Ascar - Regional Santa Rosa
Jornalista Deise A. Froelich
dfroelich@emater.tche.br
(55) 3512-6665 / (55) 9 9979-8195
www.facebook.com/EmaterRS
https://twitter.com/EmaterRS
www.youtube.com/EmaterRS
tv.emater.tche.br