Para otimizar sua experiência durante a navegação, fazemos uso de cookies. Ao continuar no site, consideramos que você está de acordo com nossa Política de cookies

Notícias

Detalhe Notícia

Separador vertical Imprimir esta página Separador vertical Diminuir letra Aumentar letra
30/11/2017

Seminário debate aspectos técnicos da olivicultura

Mais de 100 produtores, técnicos, estudantes e profissionais do setor agropecuário estiveram no auditório da Emater/RS-Ascar nesta quinta-feira (30/11) para o Seminário Técnico de Olivicultura, promovido pela Secretaria da Agricultura, Pecuária e Irrigação (Seapi), Emater/RS-Ascar, Sebrae, Senar, Farsul e Embrapa, com apoio do Ibraoliva, Secretaria do Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo (SDR) e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

O secretário da Agricultura, Pecuária e Irrigação, Ernani Polo, destacou a importância de o Estado desenvolver seu papel de fomentador de novos setores econômicos, como o da olivicultura, "que é uma cultura milenar, mas ainda muito recente para nós". "Aqui estamos dando mais um passo numa longa caminhada, que se iniciou há alguns anos. Criamos o programa Pró-Oliva, abordando sanidade, assistência técnica, fomento, para alavancar o setor. E sempre tivemos a preocupação de integrar e unir os produtores, o que se concretizou com a criação do Instituto Brasileiro da Olivicultura, o Ibraoliva, este ano", enumerou.

O secretário também informou que o cadastro dos olivicultores conduzido pela Seapi, que está entrando em fase de conclusão, já mapeou mais de 2 mil hectares e mais de 100 produtores de olivais no Rio Grande do Sul. "É importante porque assim teremos informações fidedignas para nos dar uma radiografia e o panorama exato deste setor, acompanhando sua evolução e crescimento", explicou.

O presidente do Ibraoliva, Eudes Marchetti, apresentou um breve balanço das ações realizadas pelo Instituto, criado há apenas três meses, como a busca por parcerias com empresas do setor agrícola e reuniões frequentes para alinhamento de ações e planejamento estratégico. Marchetti destacou que, apesar de recente, a produção brasileira na olivicultura está conquistando seu espaço no mercado internacional. "Em dois anos o azeite brasileiro já conquistou vários prêmios internacionais. O passaporte para o mercado internacional nós já temos. Precisamos acertar material genético, nutrição e manejo para que a nossa produção dê um salto", avaliou.

Também estiveram presentes à abertura o superintendente federal do MAPA, Bernardo Todeschini; o secretário-adjunto da SDR, Iberê Orsi; o presidente da Emater/RS-Ascar, Clair Kuhn; o chefe-adjunto da Embrapa Clima Temperado, Jair Nachtigal; o superintendente do Senar/RS, Gilmar Tietbohl; e o superintendente do Sebrae, Derly Fialho.

Planejamento de olivais

A primeira palestra do Seminário foi ministrada pelo engenheiro agrônomo argentino Facundo Herrera, que abordou o planejamento de um olival. O consultor listou as decisões a serem tomadas pelo produtor antes da implantação: a estrutura, sistema de cultivo, sistema de coleta a ser implementado; escolha do terreno, com topografias inclinadas, sem encharcamento e bons níveis de material orgânico; a orientação do plantio, observando critérios de erosão e de drenagem do ar frio; seleção da variedade a ser plantada, levando em conta aspectos como produção, adaptação, disponibilidade, qualidade/singularidade; a gestão dos solos, se será um piso coberto de bandas ou piso com cobertura total; e a irrigação.

Controle de pragas

O pesquisador Dori Edson Nava, da Embrapa Clima Temperado, falou sobre o controle da lagarta-da-oliveira (Palpita spp). Ele abordou o ciclo de vida do inseto e suas características biológicas. "Seus principais danos aos olivais é que elas se alimentam das folhas mais novas, e ao se alimentar das brotações, impedem que a cultura se desenvolva de forma saudável no ano seguinte", disse.

O monitoramento é feito com armadilhas luminosas com lâmpadas ultravioleta, instaladas a cada seis ou dez hectares. "É bom para períodos de grande infestação, como janeiro e fevereiro", sugeriu. Nava disse que é possível fazer controle biológico com predadores naturais e patógenos que atingem a lagarta-da-oliveira, e que o único produto químico com registro para a cultura é o espinetoram.

O pesquisador também pontuou que estudos estão em andamento para acompanhar o desenvolvimento do inseto em diferentes cultivares e seu comportamento reprodutivo, flutuação populacional e quantificar os danos ocasionados à cultura. "Nossas linhas de pesquisa querem usar o feromônio sexual da lagarta para desenvolver uma forma de controle e monitoramento", concluiu.

O Seminário continua na parte da tarde com palestras sobre cuidados na formação de um olival, políticas públicas para o setor e critérios na avaliação sensorial do azeite.

Texto: Elaine Pinto/Seapi
Foto: Rogério Fernandes/Emater/RS-Ascar