Emater de A a Z

Área Técnica

Juventude Rural

Separador vertical Imprimir esta página Separador vertical Diminuir letra Aumentar letra

Dificuldades de participação dos jovens na gestão da unidade familiar de produção, muitas vezes sem remuneração pelo seu trabalho, a falta de autonomia, de oportunidades para socialização e lazer, e de conexão com o mundo virtual estimulam a saída dos jovens para a cidade, e especialmente das jovens mulheres. A busca por uma vida com mais comodidade, com mais acesso a serviços também é estimulada pela própria família, por querer que seus filhos tenham uma vida melhor. Esses processos migratórios contribuem para a falta de sucessão com o consequente envelhecimento e masculinização da população rural.

Os serviços de ATERS junto aos jovens e às jovens, conforme as atividades propostas, visam fomentar a geração de renda e acesso às políticas públicas; contribuir para a viabilização da emancipação juvenil, da sucessão e do fortalecimento da agricultura familiar buscando desenvolver uma agricultura sustentável do ponto de vista social, ambiental e econômico. As atividades propostas estão relacionadas às demandas sociais apresentadas pelos/as jovens agricultores/as familiares e são participativamente construídas.

O que é necessário fazer?

  • Refletir sobre a questão da juventude no meio rural com os jovens, sobre seus problemas e sonhos, envolvendo também a família.
  • Desenvolver ações de ATERS que busquem integrar de forma participativa e dialógica os jovens na construção de alternativas que atendam às suas necessidades e demandas.
  • Apoiar a participação dos jovens na execução e na gestão da unidade familiar de produção, estimulando a sua autonomia e protagonismo, com valorização da sua atividade e incremento da autoestima.
  • Apoiar processos organizativos dos jovens com vistas a reforçar a sua participação em atividades produtivas, considerando a produção e comercialização, em espaços de representação comunitários e políticos, e na construção de espaços de lazer e de socialização.
  • Apoiar o acesso a políticas públicas para o atendimento de suas demandas.

Políticas Públicas para a Juventude

Âmbito Federal

Plano Nacional de Juventude. Projeto de Lei Nº. 4530/04, que cria um conjunto de políticas públicas e medidas que beneficiam os jovens brasileiros com idades entre 15 a 29 anos. O Plano Nacional da Juventude foi elaborado pela Comissão Especial da Juventude, que realizou audiências públicas para levantar as demandas e necessidades através da opinião dos jovens e das organizações que militam com a juventude.

Política Nacional de Juventude. Desde 2005 vários avanços foram registrados em relação à agenda juvenil, a começar pela criação da própria Secretaria e do Conselho Nacional de Juventude, que é inédito na América Latina, já que o Brasil é o único país da região que possui um conselho voltado especificamente para os jovens. O Conselho Nacional de Juventude foi criado em 2005 pela lei nº 11.129, que também instituiu a Secretaria Nacional de Juventude, vinculada à Secretaria Geral da Presidência da República, e o Programa Nacional de Inclusão de Jovens (Projovem). O Conselho tem, entre suas atribuições, a de formular e propor diretrizes voltadas para as políticas públicas de juventude, desenvolver estudos e pesquisas sobre a realidade socioeconômica dos jovens e promover o intercâmbio entre as organizações juvenis nacionais e internacionais. http://juventudeeterritorio.blogspot.com

PEC 42/2008. Confere ao jovem prioridade, ao lado da criança e do adolescente, para fins de proteção pelo Estado, pela família e pela sociedade; impõe a obrigatoriedade de o Estado contemplar também o jovem nos programas de assistência integral à saúde, de prevenção e atendimento especializado para as pessoas portadoras de deficiência, de prevenção e atendimento especializado ao dependente de entorpecentes e drogas afins e de garantia de acesso do trabalhador à escola; prevê a criação, por lei, do estatuto da juventude do plano nacional da juventude.

Lei 12852/13 (Estatuto da Juventude).Em vigor em 5 de fevereiro de 2014 e consolida os direitos dos jovens brasileiros, tais como: à cidadania, à participação social e política e à representação juvenil; à educação; à profissionalização, ao trabalho e à renda; à igualdade; à saúde; à cultura; ao desporto e ao lazer e ao meio ambiente ecologicamente equilibrado.

Âmbito Estadual

  • Lei nº 13.607/ 2008. Institui o Conselho Estadual de Políticas Públicas de Juventude, e dá providências correlatas.
  • Lei nº 14.246/2013. (Publicada no DOE n.º 111, de 12 de junho de 2013) Cria o Conselho de Juventude do Rio Grande do Sul.
  • Lei Estadual da Juventude Rural. A lei estadual nº 11.361/1999 instituiu o dia 15 de julho como o Dia Estadual da Juventude Rural e descreve “jovem rural como filho de agricultor, proprietário, meeiro, arrendatário, ocupante assalariado ou assentado rural, com até 35 anos de idade”.

Responsáveis pelas Informações

Clarice Vaz Emmel Böck