Emater de A a Z

Área Técnica

Produção de Base Ecológica

Separador vertical Imprimir esta página Separador vertical Diminuir letra Aumentar letra

Historicamente, a extensão rural do Rio Grande do Sul tem como foco de trabalho o resgate, a promoção, a articulação e o apoio às iniciativas no campo da Agroecologia a partir de ações voltadas para a agricultura familiar de base ecológica, garantindo aos agricultores interessados conhecimentos que lhes possibilitem obter alimentos orgânicos/ecológicos que contribuem para o equilíbrio do meio ambiente.

Para operacionalizar tais ações, a extensão rural tem promovido eventos que congregam agricultores, pecuaristas, técnicos, pesquisadores, estudantes e demais interessados, de forma a motivar e informar sobre as diferentes formas de produção de alimentos de origem vegetal ou animal com base na ciência agroecológica.

São objetivos desta área de atuação da extensão, dentre outros: Desenvolver ações de orientação técnica sobre a agricultura de base ecológica; estimular a recuperação e preservação da biodiversidade; buscar a integração interinstitucional com as entidades e organizações de ensino, pesquisa e extensão, no trabalho voltado à promoção dos princípios da Agroecologia; promover eventos e atividades de formação no campo da agroecologia e da produção da base ecológica; manter a participação da Instituição como membro da Comissão de Produção Orgânica do Rio Grande do Sul (CPOrg-RS)/MAPA e dar seguimento à realização do Seminário Estadual e Internacional sobre Agroecologia no Rio Grande do Sul; apoiar os agricultores que se propõem a avançar na transição agroecológica dos sistemas produtivos ; resgatar e apoiar a produção, o intercâmbio e o uso de sementes crioulas. Destaca-se para o próximo exercício do planejamento plurianual: Apoiar as ações previstas pelo Programa Estadual de Agricultura de Base Ecológica do Governo do Estado, sob a responsabilidade da SDR/RS, contribuindo para uma adequação crescente dos sistemas produtivos de base ecológica de forma a ampliar a oferta de alimentos mais saudáveis para as famílias assistidas, mercados institucionais - Programa de Aquisição de Alimentos (PAA)/ Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) e consumidores em geral e apoiar assim como qualificar os sistemas de comercialização e certificação participativa de orgânicos adotados pelos agricultores familiares de base ecológica - OCS/ Organização de controle social e OPAC/ Organismo Participativo de Avaliação da Conformidade.

Para tal estão previstos para o próximo exercício de 2012 as seguintes atividades: capacitar técnicos de forma a promover estilos de agricultura de base ecológica; realizar o XIII Seminário Estadual sobre Agroecologia e o XII Seminário Internacional sobre Agroecologia (em parceria com outras entidades); e propiciar a formação de agricultores em agricultura de base ecológica assim como a assistência técnica a agricultores no manejo de base ecológica de grãos, olericolas, frutas e criações.

Responsáveis pelas Informações

Ari Henrique Uriartt

Políticas Públicas

Federal

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).

Orgânicos

http://www.prefiraorganicos.com.br/

http://www.agricultura.gov.br/desenvolvimento-sustentavel/organicos

Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA)

Portal da Cidadania -Redes Temáticas de ATER -Agroecologia

http://www.mda.gov.br/dotlrn/clubs/redestematicasdeater/agroecologia/one-community?page_num=0

Programa Nacional da Agroindústria Familiar/ BNDS

Linhas de credito

Pronaf Agroecologia

http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/bndes/bndes_pt/Institucional/Apoio_Financeiro/Programas_e_Fundos/pronaf_agroecologia.html

Pronaf Eco

http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/bndes/bndes_pt/Institucional/Apoio_Financeiro/Programas_e_Fundos/pronaf_eco.html

Estadual

Secretaria do Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo do Estado do Rio Grande do Sul - SDR/RS

Departamento da Agricultura Familiar

http://www.sdr.rs.gov.br/

Plano Safra - Programa de agricultura de base ecológica - Linhas de Ação

Transição agroecologica

  • Financiamento de praticas ecológicas
  • Legislação de orgânicos

Conservação, recuperação, manejo, produção para agro industrialização e comercialização de produtos da sociobiodiversidade

  • Sementes crioulas
  • Plantas medicinais
  • Frutas nativas, erva mate e pinhão.
  • Plantas alimentícias não convencionais – PANCS
  • Produção animal orgânica
  • Agroindústrias de base ecológicas
  • Oferta de alimentos ecológicos
  • Apoio a implantação de feiras ecológicas
  • Melhorias e modernização de feiras ecológicas
  • Apoio à logística e distribuição
  • Circuitos curtos de comercialização
  • Produção agroecologica sustentável integrada – PAIS

A potencialização da agroenrgia deverá ser através da diversificação das atividades agrícolas, as quais se apresentam com características de maior potencial produtivo em relação ao que hoje depende quase que exclusivamente de soja, milho e feijão.

As dificuldades do setor primário é decorrente de diversos fatores, principalmente climáticos e de preços tem atingido sistematicamente o setor produtivo do estado, com reflexos em todos setores da economia, o que tem levado órgãos governamentais, através da (SDR), Secretaria de Desenvolvimento Rural Pesca e Cooperativismo em consonância com os programas ETANOL e BIODIESEL (PNPB),Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel, de extensão rural buscarem novas oportunidades de desenvolvimento econômico social e ambiental, viáveis para o setor primário. Alternativas com maior estabilidade econômica, principalmente no que se refere às condições climáticas, embora não seja uma proposta nova, é a retomada de atividade como a cana de açúcar, canola, girassol, mandioca, sorgo sacarino e a batata doce que possuem zoneamento agroclimático.

O Estado do Rio Grande do Sul, com sua diversidade de clima, solo e cultural, poderá ter sua atividade agrícola alavancada e sua exploração agrícola de uma forma mais racional e obedecendo as aptidões apontadas pela pesquisa, (EMBRAPA e FEPAGRO) , e mais produtiva em termos econômicos, ambientais e sociais. Estes aspectos representam oportunidades que necessitam ser potencializadas com aportes de tecnologias e transferencia desta.

Objetivos

O trabalho da extensão rural tem por objetivo colaborar com os demais setores da cadeia da agroenergia, de modo ma consolidar o estado do Rio Grande do Sul como grande produtor e exportador de energia mais limpa através da produção de BIODIESEL e ETANOL. As ações deverão proporcionar maior sustentabilidade ambiental social e econômica dos agricultores e do estado.

Ações

Conforme a FAO, Índia e Brasil com uma produção em 2010 de 4.870.000 toneladas e 3.202.150 toneladas respectivamente, são os principais produtores e consumidores de feijão. Apesar do feijão a nível mundial ser de pouca importância comercial, é cultivado em cerca de 100 paises. A cultura do feijoeiro tem importância econômica, social para o Rio Grande do Sul, principalmente para a agricultura familiar,visto ser uma cultura caracterizada pela sustentabilidade e subsistência das famílias gaúchas. Na safra 2010/11 foram cultivados no Brasil 3.500.000 ha conforme o IBGE e o Rio Grande do Sul 103.000 ha, em primeira e segunda safra. No Estado o Feijão é cultivado 473 municípios, e a EMATER/RS-ASCAR vem atuando de forma a estimular e orientar sobre a importância da cultura, apesar do decréscimo da área de cerca de 167.000 em 2001 para cerca de 87.000 ha na safra atual a produção vem sendo mantida a em função do aumento da produtividade.

Objetivo

O trabalho da extensão rural tem por objetivo contribuir no aprimoramento da cultura do feijão buscando, consolidação do estado do Rio Grande do Sul como grande produtor e consumidor de forma sustentável e eficiente. As ações deverão proporcionar maior sustentabilidade ambiental social e econômica dos agricultores e do estado.

Ações

  • Transferência de tecnologias geradas pela pesquisa.
  • Assistência técnica e principalmente para os agricultores que estão iniciando com as culturas alternativas
  • Capacitações de técnicos e produtores, visando difundir praticas de sustentabilidade.
  • Instalação de unidades de demonstrativas,
  • Participação organização do Simpósio Estadual de Agroenergia,
  • Reunião técnica da mandioca e batata doce, assistência técnica aos agricultores assistidos.

Responsáveis pelas Informações

Alencar Paulo Rugeri
Duplhe Pinheiro Machado